quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Jardim em miniatura


Como plantar um Mini Jardim

Quem me conhece a mais tempo sabe que eu simplesmente sou apaixonada por flores
e que também gosto muito de fazer artesanato, reciclar coisas, criar com as mãos e o coração...
Hoje vou ensinar passo a passo fazer um jardim dentro de um vaso de vidro.
Primeiro precisamos de:

Terra para cultivo (qualquer terra boa para plantar)


Pedregulhos ou cacos de porcelana

Plantinhas variadas, pequenas que podem ser cactos e suculentas


Musgos 

Um vaso de vidro, pode ser tipo aquário também




Comece colocando delicadamente no fundo do vidro os pedregulhos e os cacos, eles servirão para drenar a agua, não deixando que esta permaneça estagnada junto as raízes das plantas, o que as fariam apodrecer. Em seguida junte a terra sem socar.

Depois vai plantando algumas mais no alto, outras mais abaixo, fazendo um arranjo irregular dentro do vaso

Depois utilize os pedaços menores da porcelana quebrada para criar a ideia de uma escadinha
no jardim

Pronto, olha que coisinha mais fofa... Esse eu fiz a mais de 2 semanas e nenhuma plantinha morreu. Como podem notar tem cacto, suculentas e uma mini orquídea plantados nele, nenhuma dessas plantas gostam de muita agua. Isso porque eles retém agua em seu interior. Então o mais apropriado é molhar dia sim dia não com um spray, deixando que apenas a parte superior da terra fique molhada, dá para controlar através do vidro essas regas moderadas.


Que faça seu lindo mini jardim e depois poste em meu mural do facebook as fotos, terei muito gosto em posta-las aqui também!


quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Testes de medicamentos em animais, o que pensar sobre isso??





Antes de mais nada queria deixar claro que não me esqueço que a sociedade de modo geral tem muitos problemas sérios, crianças, idosos abandonados. Mas cada assunto tem seu valor e não é adequado misturar as estações.
Penso que é mesmo muito errado testes em animais, e por inúmeras razões que aqui são alistadas!
Só relembrando o detalhe que muitos parecem não considerar. Os animais são seres vivos, que sentem, medo, dor, tristeza como qualquer um de nós. Até ouso relacionar isso com a escravatura, pois naquela época também existiam muitos que eram contra a libertação dos escravos pois se acomodaram ao trabalho deles sem remuneração, sem respeito, sem consideração esquecendo convenientemente que eram seres humanos. Quando um animal é abatido para servir de alimento, e isso é feito de maneira rápida; é digna; é feito com respeito! Matadouros com certificação fazem da maneira correta, sem torturas.






Achei uma interessante  ponderação no seguinte link:

Primeiramente devemos saber a diferença entre Vivissecção e Testes em Animais.

Vivissecção: Dissecação de animais vivos para estudos.

 
Testes em Animais: Todo e qualquer experimento com animais cuja  finalidade é a obtenção de um resultado seja de comportamento, medicamento, cosmético ou ação de substâncias químicas em geral. Geralmente os experimentos são realizados sem anestésicos, podendo ou não envolver o ato da vivissecção.

Não é possível aceitarmos um comitê de ética para experimentação animal, pois consideramos que não existe ética nesse tipo de experimentação. Quando nos referimos aos animais, independentemente da espécie, raça, cor ou sexo, partimos do pressuposto que são vidas, sentem dor, medo e tudo mais que podemos sentir.

Diferentemente do que muitos pensam, os animais não estão aqui para nos servir. É nosso dever respeitá-los e protegê-los como seres vivos.

Nem mesmo a utilização de animais na área médico-científica é justificável, uma vez que já se sabe que a utilização de animais em pesquisas é um retrocesso, um atraso na evolução científica, além de ser um grande desperdício de dinheiro público.

 “De acordo com o Dr. Albert Sabin, pesquisas em animais prejudicaram o desenvolvimento da vacina contra o pólio. A primeira vacina contra pólio e contra raiva funcionou bem em animais, mas matou as pessoas que receberam a aplicação. Albert Sabin reconhece que o fato de haver realizado pesquisas em macacos Rhesus atrasou em mais de 10 anos a descoberta da vacina para a pólio.”

“As perigosas drogas Talidomida e DES foram lançadas no mercado depois de serem testadas em animais. Dezenas de milhares de pessoas sofreram com o resultado”

Já existem inúmeras métodos substitutivos eficientes e eficazes que podem e já estão sendo usados nessa área. Isso sem falar dos modernos processos de análise genômica e sistemas biológicos in vitro, que vêm sendo muito bem utilizado por pesquisadores brasileiros. Sem falar que culturas de tecidos, provenientes de biópsia, cordões umbilicais ou placentas descartadas, dispensam o uso de animais. Vacinas também podem ser fabricadas a partir da cultura de células do próprio homem.

A vivissecção envolve basicamente interesses financeiros e políticos, e nem tanto científicos como se pensava.

Quando um medicamento chega ao mercado, são os consumidores as primeiras cobaias de fato, independentemente da quantidade de testes conduzida previamente em animais. Somente os humanos podem exibir efeitos desejáveis ou colaterais na espécie para qualquer substância testada. A indústria vivisseccionista não apenas coloca em risco nossas vidas como impede que outras vidas sejam salvas.

Seguem Alguns Dados:
Várias diretrizes da União Européia foram firmadas com o propósito de abolir os testes com animais, dentre eles o terrível DL 50. Trata-se, portanto, de uma tendência mundial, em que a preocupação com o bem-estar dos animais de laboratório provoca discussões éticas no meio acadêmico e científico.

Na Europa muitas faculdades de medicina não utilizam mais animais, nem mesmo nas matérias práticas como técnica cirúrgica e cirurgia, oferecendo substitutivos em todos os setores.

Na Inglaterra e Alemanha, a utilização de animais na educação médica foi abolida. Sendo que na Grã-Bretanha (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda) é contra a lei estudantes de medicina praticarem cirurgia em animais. Note-se que os médicos britânicos são comprovadamente tão competentes quanto quaisquer outros.

A produção de anticorpos monoclonais por meio de animais foi banida na Suíça, Holanda, Alemanha, Inglaterra e Suécia.

Na Itália, entre 2000 e 2001 mais de um terço das universidades abandonaram a utilização de animais para fins didáticos. A Província de Sul de Tirol, Itália, proibiu a experimentação em animais ao longo de seu território.

Nos EUA, mais de 100 faculdades de Medicina (70%) não utilizam animais vivos nas aulas práticas. As principais instituições de ensino da Medicina, como a Harvard, Stanford e Yale julgam os laboratórios com animais vivos desnecessários para o treinamento médico.

A abolição total dos testes em animais depende única e exclusivamente de nós consumidores. Hoje, com as informações disponíveis, podemos escolher entre produtos testados e não testados em animais. Nós devemos pressionar e exigir o fim da utilização de animais pelas empresas que ainda insistem em utilizar esse método retrógrado, ineficiente e cruel. Mas, mais importante ainda, é fazer com que as indústrias saibam do nosso descontentamento com seus métodos de pesquisa. Não adianta parar de usar um produto sem comunicar a empresa sobre as razões que motivaram essa decisão. Como consumidores, devemos exigir que nossas dúvidas sejam devidamente sanadas, uma vez que toda e qualquer empresa tem o dever de nos informar sobre o produto que estão vendendo, desde a matéria prima, fabricação, até os testes.

Próximo post: Quais as alternativas??