Por esse fato, ordenou o Rei de Portugal que nas freguesias de Mogi Guaçu e Mogi Mirim se erigissem povoados, destinando pedaços de terra à criação de gado e entrepostos de vendas de animais. Em 1850, o Vale do Rio Mogi Guaçu já era habitada por muitos agricultores e alguns sitiantes e fazendeiros, que prosperavam com as lavouras de algodão, café e milho, alem da agropecuária leiteira. Aos poucos, o povoado foi se transformando em bairro, batizado de São José, tornando-se ponto de encontro dos moradores, comerciantes e viajantes.

Por volta de 1878, o recém batizado bairro São José passou por grande revolução, devido a chegada de dezenas de trabalhadores que construiriam a extensão da estrada de ferro de São José de Mogi Mirim a Nossa Senhora do Desterro da Casa Branca, que traria o progresso e facilitaria o transporte na região. No entanto, um imprevisto surgiu na construção da ferrovia: quando o assentamento dos trilhos chegou nas proximidades do Rio Oriçanga, os trabalhadores tiveram que superar uma área totalmente alagada.

Assim, os homens foram obrigados a estivar, ou seja, entrar na lama com galhos, capim e folhas, marcando os locais mais adequados para o aterro, a fim de não alterar o percurso da ferrovia. Do verbo estivar, nasceu o nome da estação de trem do bairro: Estiva. Com o fim da construção, a produção agrícola ganhou impulso, o que contribuiu para que o bairro se tornasse fornecedor de matéria-prima para as pequenas industrias de cerâmica da região. Foram tempos de progresso. O bairro São José crescia rapidamente, atraindo muito imigrantes. No ano de 1993, uma família vinda da cidade de N.S. de amparo chegava ao bairro, comprando uma propriedade próxima a estação de trem.



O chefe daquela família, Lourenço Gerbi foi o responsável, anos depois, por transformar o bairro São José, em um distrito industrial próspero. Enquanto a maioria dos moradores dedicava-se à agricultura, Lourenço construiu uma pequena cerâmica de manilhas. Utilizando muita criatividade para superar a ausência de energia elétrica, aliada à escassez de mão de obra, Lourenço construiu várias casas ao redor da indústria, dando moradia e assistência aos trabalhadores e seus familiares. Após superar muitas dificuldades, chega a energia elétrica em 1948, e com ela a prosperidade: novos maquinários foram instalados, o que resultou no aumento da produção.

O progresso da Indústria de Cerâmica Gerbi atraiu novos investimentos para a região, e, com ele,o crescimento do desejo de emancipação, sonho que se tornou realidade em 19 de maio de 1991, após a realização de um plebiscito em que 95%dos eleitores votaram pela autonomia completa. Criado o município, as primeiras eleições foram realizadas em 15 de novembro de 1992, ocorrendo a posse dos eleitos em 01 de janeiro de 1993. A cidade foi batizada de Estiva Gerbi em homenagem a família de Lourenço Gerbi, e aos trabalhadores que construíram a estação de trem, que muita prosperidade trouxe. 





Toda essa informação é para compreenderem a introdução da biografia de Olga... 
Chamei de "Lembranças", comecei a escreve-la a muito tempo e ainda não terminei!
Vou postar a primeira parte de "Lembranças" agora na maior edição já vista do PAPO CABEÇA
Atenção a próxima postagem...